© 2020 Benfica Independente

Contacto:

  • Branco Facebook Ícone
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram
leaderboard.gif

Estaremos perante a ruivitorização de Bruno Lage?

Ontem estive presente no Estádio da Luz, onde não via um jogo com o Gil Vicente desde a 2ª jornada da época de 2013/14. À data, vínhamos de uma derrota com o Marítimo na Madeira. Ganhar era essencial mas estivemos a perder até aos 90 minutos graças a um mau domínio de bola de Maxi Pereira. Aos 91’, já com o Estádio a 2/3, Markovic marcou o empate e, aos 92’, Lima colocou o Benfica na frente. Face à falta de gente que, entretanto zarpara, tive espaço para correr. Parecia que tínhamos ganho a Champions mas era só um jogo do campeonato com o Gil. A época acabou por revelar-se gloriosa.


No jogo de sábado passado, o Benfica apresentou-se molengão. O Gil jogou bem fechado na defesa e esporadicamente ia à área de Vlachodimos.

Percebe-se alguma contenção na forma como o Benfica se apresentou, porque temos Champions na terça, mas aquilo foi bastante fraco.


Algumas notas:

▶ Insistir em RDT e Seferovic na frente é um erro tremendo que já foi evidenciado vezes sem conta nesta época. A dupla não funciona e Seferovic parece 1 a menos em campo. Ontem não lhe vi um passe, uma desmarcação, um remate minimamente decente. Insistir no suíço faz lembrar a forma como Rui Vitória geria o plantel, insistindo, por exemplo, em Salvio, quando este não era, de todo, a melhor solução.


Os jogadores não devem jogar no Benfica pelo passado ou por gratidão. A gestão deve ser feita em função do rendimento do momento. Mais, Lage insiste em retirar RDT de campo, quando é Seferovic que apresenta menos rendimento. O suíço mostra que o ano passado foi uma raridade no seu desempenho, ou pelo menos é isso que o seu rendimento actual aparenta.

É urgente mudar na frente. Talvez com RDT como ponta de lança e Jota ou Taarabt como segundo avançado.

Continuamos todos a confiar em Lage (e bem) na expectativa de que não se ruivitorize.



▶ Dizer que este jogo foi influenciado pelo facto de muitos jogadores terem voltado das seleções é... um facto. No entanto, dos 14 que jogaram só 3 fizeram 90 minutos ou mais na sua seleção: Rúben Dias, Taarabt e Seferovic (este até voltou mais cedo devido ao nascimento do filho). Jota jogou 87’ mas também apenas entrou no jogo com o Gil aos 77’.


▶ Fejsa jogou sem ritmo e parece uma sombra do jogador de outrora.


▶ Será Pizzi o melhor jogador a marcar penalties no Benfica? Tenho algumas dúvidas. Bem sabendo que nem sempre o melhor finalizador é o melhor marcador de penalties, não vejo em Pizzi excelência na marca de grande penalidade.


▶ A gestão da substituição que faria entrar Tomás Tavares é meio surreal. Com o jogo com 2-0, haveria mais que espaço para pôr o miúdo a jogar aos 80 minutos. Mas não…Iria entrar aos 90’ e acabou por não se propiciar a entrada em campo do lateral. Mesmo que tivesse entrado, mal tocaria na bola.


▶ O Benfica faz muitas coisas bem ao nível da promoção da marca mas aquele fogo atrás das balizas é, a meu ver, perfeitamente dispensável e bacoco, especialmente em golos que não existiram.


▶ O jogo de terça será um teste dificílimo para o Benfica. Apesar de o Leipzig ser uma equipa do 4º pote, tal deve-se à sua falta de história e consequente falta de pontos na UEFA. Trata-se da equipa com o plantel mais valioso do grupo e que vem de um empate com o Bayern.


Vamos ver como corre.


▶ Texto enviado pelo benfiquista Bruno Antunes.

Queres publicar um texto no nosso site? Clica aqui e preenche o formulário.