© 2020 Benfica Independente

Contacto:

  • Branco Facebook Ícone
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram
leaderboard.gif

Benfica x Shakhtar: Mais um fracasso europeu a ditar o foco no campeonato.


A última vez que o Benfica tinha jogado na véspera do seu aniversário, o jogo havia sido incrível. Incrível para a realidade de hoje. Época 13/14, Benfica 3-0 PAOK. Recordam-se? Talvez não, mas e se vos disser que foi o golo do livre à Panenka do Gaitán? De certeza que agora se lembram. Aos 70' estava 0-0 e aos 80' já estava 3-0. Este jogo seria apenas o 1º obstáculo de uma caminhada que acabaria numa final infortuna da Liga Europa. Caminhada essa que seria composta por adversários como a Juventus e o Tottenham. Dava indícios de ser o início de um projeto denominado Benfica Europeu, que, mesmo assim, já chegaria tarde pois Luís Filipe Vieira disse um dia: «Deixem chegar o Benfica a 2011 e verão que o Benfica será um colosso europeu, para não dizer mundial.»



Seis anos mais tarde, na véspera do 126º aniversário do Sport Lisboa e Benfica, o Benfica recebia no Estádio da Luz o Shakhtar Donetsk, na esperança de virar o resultado de 2-1 da primeira mão. Tendo em conta a exibição da primeira mão, o Benfica estar em posição de disputar a eliminatória era uma situação agradável. Além da "remontada" ser possível, era algo essencial para a continuação do projeto europeu do Benfica. Sobre o onze apresentado, existiam dúvidas quanto ao meio-campo utilizado, qual o segundo-avançado e se a fadiga demonstrada em Barcelos por Vinícius permitiria a Dyego Sousa estrear-se. Lage optou por Weigl e Taarabt no miolo e Chiquinho no apoio a Dyego.



Na primeira parte o Benfica foi superior ao coletivo ucraniano, adiantou-se aos 9' por Pizzi num excelente remate rasteiro colocado pelo Messi de Bragança. Face ao golo, o Shakhtar respondeu passado 3 minutos com um auto-golo azarado de Rúben. Rúben viria a redimir-se aos 36' com um excelente cabeceamento através de um grande salto. O Benfica conseguiu esconder as suas principais lacunas e criar perigo. O Shakhtar jogava na expectativa, aguardava que o Benfica passasse para a frente da eliminatória para acelerar o seu jogo. Os visitantes criaram apenas perigo na sequência de uma fífia monumental de Grimaldo, enquanto que o Benfica fez uma primeira parte aceitável, acabando com 4 remates à baliza.



Na segunda parte, o Shakhtar provou mesmo que utiliza um conceito apenas familiar para os jogadores de FIFA. Chama-se "kick-off glitch" e consiste em marcar golo logo após marcar, ou vice-versa. O Benfica foi a vítima. Dos 5 golos marcados pelo Shakhtar na eliminatória, 3 foram apontados num espaço de tempo inferior ou igual a 6 minutos após sofrer. Não sei se é mais mérito dos ucranianos na reação ou demérito da defesa de "manteiga" do Benfica. O Benfica marcou por intermédio de Rafa aos 47' depois de uma pressão bem executada que culminaria num erro da defesa adversária. Passado 2 minutos, lá está o conceito apresentado anteriormente e, adivinhe, golo do Shakhtar. A partir daqui as lacunas do Benfica ficaram mais expostas. Foi visível o nível fraco do processo ofensivo dos encarnados e o desastroso processo defensivo. O Shakhtar tomou as rédeas do jogo e fechou a eliminatória aos 71'. O Benfica falharia o acesso aos oitavos de final da Liga Europa, sendo eliminado nos 16 avos da competição.



Voltando atrás no texto, no que resultou esse tal Benfica Europeu? Passado seis anos, o Benfica foi eliminado em casa com justiça, na primeira fase de uma competição feita para quem falha o acesso à fase seguinte da Liga dos Campeões. Foi o culminar da vergonha que tem sido o Benfica Europeu. Desde a campanha de 13/14 referida anteriormente, O Benfica somou: Em 14/15, um 4º lugar num grupo fácil da Liga dos Campeões; Em 15/16, chegou aos quartos-de-final da mesma competição; Em 16/17 chegou aos oitavos-de-final; Em 17/18, somou uns incríveis 0 pontos num grupo composto por duas equipas de nível de Liga Europa; Em 18/19, foi eliminado nos quartos-de-final da Liga Europa pelo Eintracht Frankfurt. Este ano, o Benfica foi eliminado pelo Shakhtar nos 16 avos-de-final da Liga Europa.



O que é então o Benfica Europeu? Nada mais nada menos do que um autêntico falhanço. Depois de duas finais consecutivas da Liga Europa, o projecto descarrilou por completo. O Benfica venceu duas Ligas dos Campeões e o aniversário do clube merecia ser festejado após uma vitória, recordando toda a história de um clube grandioso até hoje, e não desta maneira. É necessário haver uma reflexão sobre a posição do Benfica na Europa.

A caminhada continua, como todos os anos, no campeonato. O Benfica procurará manter a hegemonia nacional, sem almejar a voos europeus. A próxima batalha é na segunda-feira, em casa contra o Moreirense e não se exige menos do que uma vitória com uma boa exibição de redenção face ao que aconteceu hoje.


Notas de jogadores:

Odysseas: 6

Defendeu o que era possível defender. É jogo atrás de jogo uns dos melhores em campo ou mesmo o melhor.


Tomás Tavares: 3

Na primeira parte não esteve mal a atacar. Na segunda parte, desapareceu do processo ofensivo e mostrou grandes debilidades a defender. Má exibição.


Rúben: 6

Talvez o melhor a par de Taarabt, teve azar no auto-golo mas fez uma boa exibição.

Ferro: 6

Parece ter recuperado a confiança que demonstrou a época passada. Exibição sólida.


Grimaldo: NA

Peço que me ajudem a descrever a exibição do Grimaldo pois sinto que sou muito mau com eles. Se não quiserem colaborar, é exatamente o que foi escrito nas outras crónicas.


Weigl: 5

Se por um lado, no plano ofensivo esteve melhor do que nos outros jogos. Por outro lado, defensivamente esteve pior do que nos outros jogos.


Taarabt: 7

O único que leva o jogo para a frente. Tem jogado praticamente sozinho nos últimos jogos. Foi o melhor esta noite.


Rafa: 5

Fez uma exibição mediana. Não acrescentou muito ao jogo.


Pizzi: 6

Esta foi a melhor exibição que fez nos últimos jogos. Esteve mais ativo do que tem estado.


Chiquinho: 4

Exibição infeliz. Acho que Chiquinho rende mais se jogar na direita e Pizzi tem características que indicam que dará um bom segundo-avançado. Tentar não custa.


Dyego Sousa: 5

Exibição esforçada, físicamente parece não estar pronto para fazer mais do que uma parte em campo. Mostrou pormenores melhores do que Seferovic nos últimos jogos.


Seferovic: NA

Semelhante a Grimaldo. Peço que me ajudem a descrever a exibição do Grimaldo pois sinto que sou muito mau com eles. Se não quiserem colaborar, é exatamente o que foi escrito nas outras crónicas.