leaderboard.gif

A Paz Benfiquista

Dificilmente o Sport Lisboa e Benfica podia ter passado por 6 meses tão traumáticos: recomeçou a Liga após suspensão, em virtude da COVID, ficámos sem o título por responsabilidade própria, apesar dos 7 pontos que tivemos de avanço, saiu o anunciado treinador para uma década (Bruno Lage), manteve-se um interino que não teve capacidade para segurar a equipa, perdemos a Taça de Portugal de forma inglória, contratámos Jorge Jesus e alguns bons reforços, caímos com estrondo da Liga dos Campeões e em consequência saiu o esteio da defesa, não se reforçando, como fora prometido, o miolo e as laterais - o que deixou o plantel profundamente desequilibrado.


Ao mesmo tempo, defrontaram-se em eleições dois pólos, que se tornaram antagónicos e que saíram do vieirismo: os jovens turcos, que pediram a mudança, os velhos do Restelo (como eu), que mantiveram a esperança nos que nos governam. Repito, dois pólos com o mesmo Pai: o vierismo.


O nosso Clube viveu, assim, um dos mais complexos períodos de que há memória.


Passadas as eleições e quando pensávamos em estabilidade e paz interna, surgiram duas derrotas seguidas e novas buscas (será que as 8 anteriores não chegaram?) destinadas, diz-nos a imprensa, esse eco da Justiça do século XXI, a “fechar inquéritos” (Sic).


O Benfica terá paz?


Tenho as minhas dúvidas, as minhas mais fortes dúvidas. Na verdade, os próximos tempos serão demasiado complexos para que se assista a uma normalização das relações entre Benfiquistas.


Por um lado, as consequências económicas do tempo que vivemos, as devastadoras consequências económicas, trarão, mais dia menos dia, consequências negativas evidentes ao futebol português, com o necessário desinvestimento dos principais Clubes, sendo claro que o nosso não ficará fora dessa realidade, o que enfraquecerá a qualidade do futebol português.


Por outro, e não menos importante, há uma crise geracional no Benfica, parecendo-me que as gerações mais novas imporão, numa postura quase ditatorial, uma mudança nos órgãos sociais, seja ela qual for, nem que passe pela lógica do “golpe de estado”, como têm ameaçado amiúde...


Não lanço, pois, o apelo à “Paz Benfiquista”, uma vez que isso seria colocar-me sob fogo amigo e inimigo. Mas deixo um repto: se sem essa paz, como sabemos, é impossível alcançarmos o sucesso, para quê manter a guerra?


Por exemplo,


O processo eleitoral teima em não findar, com um pedido de recontagem de votos (e não contagem, como muitos parece não perceberem) feito 15 dias depois da proclamação do vencedor, apesar do vencido, com muita dignidade, ter aceite os resultados, o que mantém abertas feridas que já deviam estar a sarar, com reflexo claro nas redes sociais: a cada golo sofrido, a cada revés, enchem-se de ódio e proclamações vertiginosas.


Ódio esse incompreensível, deixem-me que vos diga.


Um querido amigo, com o humor refinado que muitos lhe conhecemos, perguntava antes do último jogo para o campeonato, em pleno Twitter, uma coisa deste género: não levam a mal que apoie o Benfica?


Muitos de nós crescemos com os nossos Pais a ensinarem-nos que assobiar o Benfica era pior que cuspir no prato da sopa. Esses professores, que aprenderam, por sua vez, de seus Pais, envergonhar-se-iam se descessem ao Twitter, ao Facebook ou ao wattsapp durante um jogo de futebol do nosso Benfica. Aí não se assobia, mas faz-se pior: achincalha-se, destroem-se jogadores e faz-se política no infortúnio - como será, lamentavelmente, feita na vitória.



O que fazer, então, para terminar com este sufoco, sabendo que assim será difícil vencermos?


Não há respostas claras, mas há uma evidência: se em Maio festejarmos, uma, duas, três vezes, como todos queremos e muitos pensamos ser possível, tudo passará a ser diferente e a ser visto com outros olhos.


Não é a primeira vez que o digo, que o escrevo: no Benfica, muitas vezes, as ondas de euforia começam no campo e estendem-se às bancadas, num processo inverso à tradição do futebol.


É aqui que o actual momento da equipa, em que parece desligada da corrente e em que o treinador aparenta estar pouco motivado para alterar o “estado do tempo”, deixa-me perplexo e incapaz de ter um momento de sossego: o que se passa, o que se passa rapazes? Não são capazes de dar a volta e serem a força motriz da onda que nos levará às vitórias?


Vamos a isso? Vamos a essa crença na Vitória?


▶ Texto enviado pelo benfiquista José Pereira da Costa, sócio n.º 13520


Queres publicar um texto no nosso site? Envia por email ou pelo formulário do site.


NOTA: A opinião aqui transmitida é da inteira responsabilidade do seu autor e não representa, necessariamente, a opinião do Benfica Independente.

© 2020 Benfica Independente

Contacto:

  • Branco Facebook Ícone
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram