© 2020 Benfica Independente

Contacto:

  • Branco Facebook Ícone
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram
leaderboard.gif
  • Jota P

A história do "O meu roubo é maior que o teu..."

Nascer nos anos setenta e começar a ver a bola a rolar nos asas do Liverpool do Rush ou do Benfica do Stromberg tem algumas vantagens.

Viver o Vietname nas bancadas de cimento da velha luz, sempre com 300 km para baixo e uma viagem tenebrosa para cima, foi uma experiência que nos catapulta para uma dimensão muito pouco humana do que é "ser do Benfica".

Ver o Salgueiros do Nandinho ganhar na luz ou o até o Boavista do Ayew são sensações traumáticas, mas nada se compara a Vigo - um marco na vida de um Benfiquista do Grande Porto.

Eu estive lá.

Tudo o que se seguiu foi fugir à realidade nos golos do Jardel, o outro, que não o nosso.

Que tempos aqueles!

Sofrimento em estado puro, mas Nós acreditavamos sempre!

Sempre!

E só era possível acreditar porque eu não via o Baía a dar mão fora da área ou, alguns anos depois, a tirar a bola de dentro da baliza Grande da Catedral.

Era a condição.

Acreditar sempre e ignorar o estado mafioso que os meus vizinhos tinham montado e acreditar!

E assim fui, um ano atrás do outro.

É verdade que tinham as melhores equipas, eram melhores, mas nem por isso deixavam de fazer uso de métodos menos simpáticos para esmagar a nossa incompetência.

E, dando um salto no tempo, viajei até aos dias de hoje e vejo um discurso dominante contra o Sport Lisboa e Benfica que até assusta.

Confesso que fico surpreendido todos os dias com o ódio que vejo.

Viver a norte e ser do Benfica é um desafio permanente. Há sempre o comentário, a boca, às vezes o insulto. Só há uma forma de resistir - não falar "de bola" com nenhum adversário, na medida em que para eles, somos inimigos.

O Sul. O império! A capital.

Como se as viagens do Benfica ao Bessa ou a Guimarães se tivessem tornado vencedoras apenas nos braços de quem chega de Lisboa.

Eles não sabem, nem tão pouco compreendem e daí o nosso silêncio.

Um silêncio longo de um deserto vivido com dor, agora interrompido para neste projeto trazer a voz de um sócio do BENFICA que vive no Topo Norte!