leaderboard.gif

Acho que ele Lagiu muito bem

No rescaldo da vitória de ontem, frente ao Zagreb, rapidamente se levantaram algumas vozes críticas que apontavam o risco da gestão que Bruno Lage (tentou) fazer nesta partida. Se há riscos em jogar de início com Yuri Ribeiro e um (por agora) inconsequente Jota? Sem um ponta-de-lança? Há, pois! Todavia deixo aqui duas questões para os críticos-rápidos-no-gatilho:


Preferem ter jogadores nucleares lesionados ou de rastos nesta fase da época (sendo que alguns já estão)?


Lage tem um plantel à altura de competir em todas as frentes com a mesma qualidade?


Parece-me evidente que a resposta a estas duas questões é um rotundo “não”. Mas isso sou eu.


É evidente que num clube como o Benfica a exigência deve ser máxima e a ambição só pode ser - sempre - ganhar tudo. Mas entre o que é a essência do Glorioso e a realidade desta época, vai alguma distância.


Para os adeptos das comparações: façam o exercício de analisar os plantéis que o Benfica tinha nos anos em que chegou à final da Liga Europa, e a rotatividade que, aí sim, era possível fazer sem grandes quebras de rendimento.


Em suma: Lage arriscou, mas na realidade não tem outro remédio. Volto a bater nesta tecla: é absolutamente surreal o plantel não dispor de mais um ponta-de-lança capaz de ser, pelo menos, alternativa válida.


A realidade é que o nosso timoneiro recebeu um desafio tremendo e aceitou ir para a guerra com snipers de elite, mas também com crianças que nunca pegaram numa espingarda.


Nota: exibições tremendas de Ferro, Pizzi, Gabriel e Rafa, ontem. Que tenham muita saúde.


Domingo, há mais. Pra cima deles, Benfica!



Foto: Facebook.com/pg/SLBenfica

© 2020 Benfica Independente

Contacto:

  • Branco Facebook Ícone
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram