leaderboard.gif

Jorge Jesus é minúsculo diante da imensidão do futebol




Eu poderia utilizar este espaço para escrever sobre a classificação do Benfica à fase de mata-mata da Liga Europa, com os 12 pontos somados e a vice-liderança do Grupo D, ou sobre os altos e baixos dos Encarnados na atípica temporada 2020-2021, marcada pela realização de partidas com portões fechados em decorrência da pandemia da Covid-19. Porém, o que me traz para cá é um motivo ainda maior, um dever enquanto torcedor e cidadão: o combate a comportamentos reacionários dentro e fora das quatro linhas.


Vamos ao contexto. Na terça-feira passada (8), em jogo válido pela última rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa, as equipes do Paris Saint-Germain (atual campeão da França) e do Istambul Basaksehir (atual campeão da Turquia) decidiram abandonar o gramado do Parque dos Príncipes, em Paris, após o integrante da comissão técnica do clube turco, o ex-jogador camaronês Pierre Webó, ser alvo de insultos racistas proferidos pelo quarto árbitro, o romeno Sebastian Coltescu.


A Uefa, que nunca combateu o racismo de forma efetiva, para além do slogan "Say no to racism" ("Diga não ao racismo", em tradução livre), queria retomar o duelo, mas PSG e Basaksehir não concordaram com a ideia e só retornaram a campo no dia seguinte, quando outra comissão de arbitragem ficou responsável por conduzir a partida, vencida pelos parisienses pelo placar de 5 a 1. Saíram os romenos Ovidiu Hategan (árbitro), Octavian Sovre (assistente), Sebastian Gheorghe (assistente) e Sebastian Coltescu (o quarto árbitro, autor dos insultos racistas contra Webó) e entraram os holandeses Danny Makkelie (árbitro) e Mario Diks (assistente) e os poloneses Marcin Boniek (assistente) e Bartosz Frankowsky (quarto árbitro). Os italianos Marco di Bello e Maurizio Mariani e o polonês Jacub Winkler, por sua vez, continuaram à disposição na cabine do árbitro de vídeo. E o cartão dado a Pierre Webó foi anulado pela Uefa. A histórica postura dos dois times europeus, por sua vez, repercutiu em todos os cantos do planeta.