leaderboard.gif

O que é que se passa, meu Benfica?

Derrota na Luz por 3-4 frente aos açorianos do Santa Clara. Com este resultado, nos

últimos 11 jogos, o Sport Lisboa e Benfica conta apenas com 2 vitórias (!).

Entrámos no jogo como entrámos desde fevereiro: falta de brio e agressividade, de linhas de passe, de classe na definição, de processos defensivos e de construção, de agressividade nas bolas paradas. Tão deprimente é ver um jogo com a Luz vazia, mas ainda mais deprimente é ver um jogo deste Benfica com a Luz vazia.


Sem retirar mérito ao Santa Clara de João Henriques, equipa bastante interessante, este resultado de hoje é faltar ao respeito à história e ao bom nome do Sport Lisboa e Benfica. Que adianta estarmos superiores financeiramente ao nosso adversário? Que adianta gastarmos 20 milhões em jogadores de classe mundial se não temos processos em que esses mesmos jogadores se destaquem? Em poucos anos, passámos de projetos com sentido, mesmo com pouco dinheiro, para um projeto de comprar ao desbarato e transferências estratégicas para as comissões dos “amigos”.

Voltando ao jogo, depois de 40 minutos cinzentos e semelhantes aos últimos jogos, acabamos por sofrer um golo, depois de uma perda de bola surreal de Nuno Tavares. Não podia haver pior timing para sofrer o golo. Pela forma como entrámos na segunda parte, o golo sofrido parecia ter despertado o lado bom da equipa. Vinícius por Seferovic, Zivkovic por Gabriel. Aos 50’, Rafa empata depois de uma bela jogada, e a equipa parecia galvanizada para consumar a reviravolta.


Esta ilusão, semelhante a Portimão, de que as coisas finalmente podiam voltar ao que este Benfica de Lage nos habitou na segunda metade da época passada e primeira metade desta, viria a desvanecer com (mais) um golo sofrido de bola parada, apenas cinco minutos depois do empate. Surreal como continuamos a sofrer o mesmo tipo de golos, jogo após jogo. A equipa reagiu e, oito minutos depois, já vencia por 3-2, com dois golos de Vinícius, deixando no ar a pergunta da razão por ter saído do onze inicial nos últimos dois jogos.


Quando, mais uma vez, a vitória parecia bem encaminhada, Bruno Lage decidiu não mexer na equipa. Infelizmente, o jogo em Portimão não serviu de emenda. Quem mexeu foi João Henriques (e bem!), o que nunca deixou os encarnados confortáveis no jogo. Aos 80 minutos, depois de um duelo bastante duvidoso entre Fábio Cardoso e Ruben Dias, o defesa central toca na bola com a mão. João Pinheiro assinala penálti, com recurso ao VAR. Estava feito o empate. A equipa não soube reagir e, como em Portimão, mostrou-se bastante desequilibrada psicologicamente.


Nos últimos 10/13 minutos que faltavam, em vez de ser o Benfica a assumir a posse de bola, foi o Santa Clara que procurou o golo da vitória e assumiu o controlo do jogo. A saída de Taarabt não ajudou. As substituições irracionais e no desespero fizeram com que o Santa Clara chegasse ao golo da vitória, perante bastante passividade de Ferro (mais uma vez).

3-4. Em casa. Incompreensível. Indesculpável. Vergonhoso. Desde a atitude da equipa, à falta de processos eficazes, às substituições absurdas.


Não pode haver vergonha em admitir e agradecer a Lage pelo que fez na época passada, mas tem de haver lucidez para reconhecer que esta época foi um desastre, com todos os recursos que tem à sua disponibilidade. Na minha humilde opinião, o fim da linha chegou. Não há milagres, não há salvação.


“Benfiquistas de todo o mundo, uni-vos!”. É urgente uma revolução no Benfica. Para ontem.

Jogadores +

- André Almeida

- Ruben Dias

- Weigl

- Taarabt

- Rafa

- Vinicius

Jogadores -

- Vlachodimos

- Ferro

- Nuno Tavares

- Gabriel

- Pizzi

- Seferovic

- Zivkovic


▶ Texto enviado pelo benfiquista Jaime Silva.

© 2020 Benfica Independente

Contacto:

  • Branco Facebook Ícone
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram