top of page
leaderboard.gif

Wonderkids

Atualizado: 28 de mar. de 2019

Desde há uns anos para cá que a Caixa Futebol Campus é o berço de alguns dos melhores talentos do futebol português. É inegável que actualmente a formação benfiquista é a melhor do país e uma das melhores do mundo. O trabalho desenvolvido, quer ao nível das instalações e condições de trabalho, passando pelo departamento de scouting e terminando nas equipas técnicas, tem sido excelente. Hoje, a equipa principal conta com a presença de 8 jovens da formação, isto se incluirmos Zlobin, que ainda fez parte da equipa de juniores. Há mais na calha e a única coisa que peço é que não se cometam os erros do passado.


Também o trabalho na formação é importante neste aspecto. Incutir desde cedo que o clube está em primeiro lugar é essencial. Ensinar aos jovens os valores humanos e de um trabalho em equipa é meio caminho andado para que quando chegarem à equipa A, estejam preparados para defender as suas cores e fazerem parte do clube durante muitos anos.


Renato Sanches foi o último. Rui Vitória chamou-o à equipa principal, por necessidade, diga-se, e o médio brilhou tanto de encarnado e pelas cores da Selecção, que LFV não fez sequer um esforço para o manter. Digo isto sem conhecimento de causa. Não conheço os meandros do futebol, nem o que se passa nos corredores da Luz, mas se tivesse sido feito esse esforço, Renato teria crescido ainda mais, como homem e jogador, e provavelmente hoje estaria noutra posição. Ainda sou da opinião de que é uma opção muito viável tentar trazê-lo de novo para casa. Recuperá-lo seria uma atitude de louvar, já que no campo não tenho dúvidas de que não iria faltar qualidade.


O que fazer, então, para manter estes jovens jogadores o clube?


Os jovens craques do Benfica estão sob o olhar atento de vários clubes europeus: Rúben para a Juventus, João Félix para o Manchester United ou o Florentino para o PSG. Subir as cláusulas, não evita que os big spenders abandonem as suas intenções. Servem apenas para subir o valor de mercado dos jogadores e atrasar algo quase inevitável. Se o PSG quiser mesmo Florentino, o que são mais 20 ou 30 milhões?


É aqui que entra aquilo que penso ser o melhor para o clube. É preciso definir desde cedo uma estratégia para estes jogadores e essa estratégia passa por existir um projecto desportivo que os alicie a continuar de águia ao peito. Por mim, ficavam para sempre, mas sei que isso é extremamente complicado e nem lhes peço isso. Acima de tudo, o clube deve ganhar desportivamente com eles. Insisto na palavra 'desportivamente' porque isso é o mais importante. Vivemos num mundo em que o dinheiro fala mais alto do que qualquer outra coisa e é preciso combater isso. Não quero que se prometam títulos, muito menos europeus, mas quero que se prometa trabalho e uma equipa cada vez mais competitiva. Com o discurso certo, acredito que seja possível manter e lapidar os nossos diamantes à imagem da história do clube. E por falar em história, por que não chamar à mesa das negociações alguns históricos do clube para que dêem o seu input aos jovens?


Também o trabalho na formação é importante neste aspecto. Incutir desde cedo que o clube está em primeiro lugar é essencial. Ensinar o jovens os valores humanos e de um trabalho em equipa é meio caminho andado para que quando chegarem à equipa A, estejam preparados para defender as suas cores e fazerem parte do clube durante muitos anos.


Quantas e quantas vezes não ouvimos LFV e DSO afirmar que o Benfica não precisa de vender? Está na altura de levar essas palavras a bom porto, ainda para mais numa altura em que temos em mãos uma geração fantástica. O que eu gostava de ver estes jogadores de encarnado na próxima época...

4 comentários

4 commentaires


Paulo Gomes
Paulo Gomes
28 mars 2019

Boa tarde.

Excelente artigo. Acho que é o maior erro (repetido constantemente) do nosso presidente. Não será só com jogadores do Seixal que podemos ser campeões europeus, mas sem eles e sem os mantermos durantes alguns anos (eu diria, pelo menos até aos 24 anos), este sonho tornasse quase impossível.

Se calar, o Renato, Guedes, Oblak, Semedo, Lindelof, com o actual plantel não eram suficientes, mas talvez se nunca o fizermos, vamos continuar assim, sempre relegados para a Liga Europa e sem qualquer expressão na Liga dos Campeões.

Vamos ver quanto tempo vamos ter o Félix, Rúben e os outros... Espero que os consigamos ver até ao próximo mundial..

Carrega Benfica, rumo ao #37

J'aime

André Pessoa
André Pessoa
28 mars 2019

Viva,


Esta minha opinião provoca sempre muita discórdia no meu grupo de amigos, mas não seria bom também termos de vez em quando um miúdo que quisesse fazer a carreira no Benfica? A mim pessoalmente cansa-me bastante ouvir juras de amor eterno ao clube, ou ver meninos de 18 anos já a prepararem-se "para dar o salto", pensando depois que aos 32 voltam para acabar a carreira.


O Sport Lisboa e Benfica é e tem de ser muito mais do que isto. Tem de ser maior que qualquer vontade de ir ser suplente de um Bayern. Mas, e acreditando que se faça um excelente trabalho nesse sentido no Seixal, a emoção de vestir de encarnado tem de falar sempre mais…


J'aime

Luís Gomes
Luís Gomes
27 mars 2019

Sem dúvida, não aprofundei essa questão. Também acho que metade desse caminho está construído, mas continuo a achar que o discurso ainda não está aprimorado. Talvez só daqui a uns anos veremos os nossos jovens a querer fazer carreira no clube. Quanto às expectativas, sim, é um descalabro, creio. Esse controlo é essencial. Mil vezes vê los a brilhar no campo do que serem expostos em capas de jornais, principalmente num país jornalístico que quer ver sangue e falhanços.

J'aime

Aires Gouveia
Aires Gouveia
27 mars 2019

Bom artigo Luís.


Se me permites, completo que devia haver a devida gestão de expectativas pelos nossos responsáveis (que afloraste no final do artigo). Acho que os pontos anteriores já estão devidamente implementados no Seixal.

Pode até ser uma questão de melhor preparação em termos de comunicação, mas ao ouvir qual um dos "putos" que têm saído do Seixal, nota-se um discurso coerente com um compromisso enorme com o clube.

O pior é certos dislates ditos em entrevistas que colocam as expectativas bem elevadas (nada contra estabelecer metas e objectivos, mas as mesmas devem ser realistas).


Creio que hoje em dia há condições para perfazer na sua plenitude um Benfica com uma base "Made in Seixal". O treinador é igualmente…


J'aime
bottom of page